Alerta bitcoin!

Não é bem um alerta CM.

É um alerta forte aos meus amigos que estão ‘atascados’ em bitcoins e moedas quejandas: a moeda está prestes a quebrar uma zona de suporte forte entre os 30 000$ e os 28 500$. A quebra dessa zona deixá-la-á sem chão…

Faço o boneco quando tiver mais tempo.

Abraço a todos.

Advertisement

Comissário Jules Maigret

Comentando outro blog, lembrei-me das saudades que tenho desta série numa das suas primeiras versões: Aquela que foi representada pelo actor Jean Richard foi, para mim, a mais marcante e emblemática.
Quando recordo imagens desta personagem, surgem-me sempre a preto e branco e na cara do Jean Richard.
Nestes episódios, paralelamente à ação policial, à trama e ao desenlace da intriga, à riqueza da personagem e à categoria da representação, saem exaltados os anos da reconstrução e do reerguer da França. A França dos anos 50 e 60, a França do General De Gaulle, a França orgulhosa da sua História, das suas tradições, das suas paisagens e das suas gentes, gastronomia e cultura.
Ai, as saudades que tenho dessa série e, já agora, dessa França que, em abono da verdade, não conheci…

Para saber mais:

https://fr.wikipedia.org/wiki/Commissaire_Maigret

O PS ofereceu-nos um governo de sociopatas inimputáveis.

Há umas horas atrás a viatura em que o inenarrável -e já insuportável- Cabrita se fazia transportar atropelou um trabalhador em serviço na berma. Uma coisa destas atrapalharia qualquer pessoa, especialmente ocupando um cargo como o de ministro da administração pública. Aqui em Portugal, com o PS no poder e tudo, a coisa não é nada assim

Questão 1:

Na perspetiva do inenarrável quem é que sofreu o acidente?

Resposta 1

Fácil! Quem sofreu o acidente foi o Inenarrável.

Questão 2

Na perspetiva do insuportável justificar-se-ia colocar o cargozinho à disposição?

Resposta 2

Nem pensar! A coisa, em termos nacionais, nem foi muito grave, muito oportunamente alguém da PSP já veio dizer que os acidentes de trânsito até caíram no ano passado. Independentemente do facto de 2000 ser um ano de covides e de confinamentos, as coisinhas estão a melhorar, portanto.

Que cooooooorja!

Imigração para a Europa: a teoria na prática é outra

Um artigo que não se esperaria do politicamente correto José Couto Nogueira de que deixamos um excerto e um link:

«Em 2016, numa entrevista publicada no livro “As raízes mais profundas”, a Rainha Margarida II da Dinamarca afirmou que as regras e valores da cultura dinamarquesa deveriam ter sido mais bem explicadas aos novos imigrantes. Os dinamarqueses teriam sub-estimado as dificuldades da integração e as regras da democracia não foram clarificadas, nem se obrigou que as seguissem.»

a LER AQUI.

«O excelente ministro Cabrita»

Muito acutilante o artigo de Pedro Gomes Sanches sobre o O PS, o Cabrita e a situação política atual. Um pequeníssimo excerto:

‘[…] excepção feita ao PCP durante o PREC, nunca os interesses de um partido estiveram tão distantes dos interesses do país. Nesta óptica temos de olhar para os “clientes” e para as “pessoas”, para a criação de valor e para a “empresa” como são olhados no Largo do Rato: tudo pelo PS, nada contra o PS.’

A ler aqui.

Ao bom polvo súcialista: -Os meus parabéns, pá!

É espetacular como a rapaziada do pêésse se agitou e desmereceu o crime que cobriu, mais uma vez, este país de ridículo. Apesar de haver juristas, refugiados e alguns jornalistas que reiteram que é grave o que se tem passado na Câmara de Lisboa, é impressionante que um caramelo que foi presidente da câmara de Lisboa, ministro da administração interna, líder da oposição e primeiro ministro enquanto este disparate se consubstanciava saía incólume de toda esta situação.

Armalgarve Polvo | Sul Informação

Kosta, pá! não só és um finíssimo finório, como oleaste bem o teu polvinho. Um encanto.

Fascismo? Vamos deixar-nos de tretas! Estamos muito gordos para caber em camisas negras.

Retirado de um artigo excelente:

«O nacional populismo não é o mesmo que fascismo. O nacional populismo é uma resposta particular aos níveis recentes e sem precedentes de imigração, ao apoio populista relaciondo com o aumento da diversidade.»

«O Fascismo é expansionista, violento e conscientemente elitista, o populismo tende a ser defensivo e democrático, até igualitário. O fascismo era juvenil, o produto de uma sociedade jovem, respirando vigor, ação e a nobreza do sacrifício juvenil.»

«O populismo, por outro lado, está focado nos benefícios do bem-estar, produto de uma população que está envelhecendo – e em lugares como a antiga Alemanha de Leste, moribunda. O mundo ocidental de hoje, com uma idade mediana bem acima dos 40 anos, é muito velho para o fascismo e também muito rico, com a Alemanha de Weimar tendo um PIB per capita de cerca de £ 3.000. Somos todos gordos demais para caber em camisas pretas tamanho XXL, e um país no qual 36% dos adultos são clinicamente obesos não vai marchar para lugar nenhum tão cedo.»

in: The fascist moment isn’t coming