O Primeiro Post

Começo hoje o meu blog sobre mercados e ações. Proponho-me continuar aqui a participação que tenho vindo a ter em fóruns de bolsa como o ‘Caldeirão de Bolsa’ ou o Think Finance. De facto, foi o cansaço da moderação de terceiros face àquilo que eu expressava que me suscitou a ambição de ter plena liberdade de expressão e que me levou à necessidade de criar um blog.

Não sendo um expert, tenho a pretensão, que espero que me seja desculpada, de ter algum conhecimento dos negócios bursáteis.
A minha experiência nesta área começou há 35 anos. Recordo ainda quando, nos meus quase imberbes 18 anos, nervoso e muito inseguro, munido das minhas poupanças (pouco mais do que uns parcos trocos), de barriga encostada ao balcão da já extinta corretora Abílio de Sousa, iniciei a minha atividade de pequeno investidor. Conheci, na baixa, as suas duas primeiras ‘lojas’. A primeira mais exposta e a segunda, a que se acedia por elevador, mais reservada e sofisticada. Continue reading “O Primeiro Post”

Anúncios

Ouro sobre azul nos ‘States’?

E se a uma valorização dos títulos americanos se somasse uma valorização do dólar? Hum? O que acha o prezado leitor? Ouro sobre azul, não era? Ahhh, pois!…
Ora, numa altura em que os índices americanos parecem querer manter-se num ambiente bullish, seria interessante se o dólar se valorizasse face ao Euro. A avaliar pela forma como este par (Eur/USD) se distribui numa forquilha horária de Andrews, parece que esta realidade se pode consolidar. Resta saber até onde… e até quando.

Uma subida dos índices americanos e dos seus constituintes e uma valorização do dólar, isso é que era bom!...

Continue reading “Ouro sobre azul nos ‘States’?”

A China não tem a América presa aos seus desígnios

Uma ideia que se torna cansativa e que deve ser refutada: A China tem a América presa aos seus desígnios por deter muita dívida americana.
A verdade, caro leitor, é que a China não tem a América presa aos seus desígnios por deter muita dívida americana. Era o que mais faltava.
Os chineses condicionariam muito mais os ‘States’ se se recusassem, em determinadas circunstâncias, a comprar dívida americana. Isso, sim!

Há um dito que resume o que penso desta situação:
‘Se deves 1000 euros ao banco, tens um problema; se deves um milhão de euros ao banco, o banco tem um problema…’ Os chineses não têm a América na mão por deterem muita divida americana. Aliás, este um tema muito, muito, muito, sobreavaliado…
O mercado está a digerir a subida das taxas. Vai fazê-lo, mais dia, menos dia.
Para já três notas a ter muito presentes:

Continue reading “A China não tem a América presa aos seus desígnios”

Os mercados americanos nos próximos dias (Nas e Russell)

Para começar este post com uma nota otimista, começaria por dizer o seguinte:

‘Diário do Nasdaq 100 com forquilha de Andrews, LTA bem marcada e um eventual hagopien que, na eventualidade de se estabelecer prolongando a lta permitiria supor a continuação do ambiente bull. Permitiria, aliás, que se atingissem novos máximos absolutos neste significativo índice.’

Curiosa a possibilidade de se atingirem novos máximos...

Continue reading “Os mercados americanos nos próximos dias (Nas e Russell)”

CAC 40 (Previsões para a semana de 23 a 28 de abril).

Um título que parece em alta

No passado dia 18 de abril, os analistas do site abcbourse elaboraram o gráfico acima. Este gráfico pressupunha uma abordagem otimista à valorizção futura do principal índice francês e era proposto o valor de 5500 pontos como o objectivo próximo a alcançar. Este otimismo assentava no apaziguamento das tensões entre as potências globais e na apetência consequente dos investidores pelo risco. Continue reading “CAC 40 (Previsões para a semana de 23 a 28 de abril).”